Cuidar da saúde é cada vez mais importante, numa altura em que existe uma grande exposição ao stress, maus hábitos alimentares, a probabilidade de necessitar de um cuidado médico urgente, acresceu. A contratação de um seguro de saúde acarreta consigo a satisfação de um conjunto de necessidades

Os direitos adjacentes a cada seguro, geralmente indiciados por coberturas são estipulados pelo cliente em função da oferta apresentada pelo seu mediador, pelo que a escolha deve ser sempre feita em virtude das necessidades individuais de cada pessoa.

A possibilidade de ser acompanhado pelo seu médico de preferência e a significativa diminuição do tempo de espera por um serviço médico é um ponto bastante forte no seguro de saúde.

 

Apresentamos-lhe algumas das vantagens:

  • As longas horas de espera na urgência do hospital público, as listas de espera de dezenas de anos para ser submetido uma cirurgia ou a falta de lençóis no internamente passam a ser coisa do passado;
  • As várias entidades a operar em Portugal dão-lhe um vasto leque de médicos inseridos na sua rede de trabalho. Tem assim a liberdade de escolher o seu médico e não se cingir ao estado de espirito do Serviço Nacional de Saúde;
  • As consultas de especialidade, como o caso da medicina dentária, por exemplo, que o SNS não disponibiliza, são nitidamente economizadas.

 

E para que não se deixe enganar e faça sempre a opção mais certa, deixamos-lhe também alguns fatores a considerar no momento de escolher o seguro de saúde que lhe será mais vantajoso.

Começaremos então pelo que diz respeito ao custo. Um seguro de saúde pode variar entre valores como quinze euros, chegando a centenas, tudo depende daquilo que está coberto. É possível afirmar que, um seguro que ronde os 40€/50€ mensais incluirá o necessário para que se sinta efetivamente seguro. A comparticipação fora da rede que acontece quando o médico não trabalha diretamente com a seguradora, o que limita a comparticipação num valor previamente estipulado. O período de carência entende-se pelo período de três ou seis meses, que poderá variar consoante a seguradora, em que o utente não poderá usufruir das condições do seu seguro, afim de não se considerar que já existia um conhecimento antecipado de algum problema de saúde e esse ter sido o objetivo do contrato.

Contudo, alertamos para que a escolha deverá envolver bastante ponderação e análise das opções disponíveis, o balanço acerca das suas vantagens e desvantagens deverá ser um imperativo.


Scroll to Top