Todo este tempo passado em casa fez com que muitos espíritos empreendedores quisessem abrir a sua própria empresa e começar um negócio sólido, desde o início, no qual se sentissem confortáveis e inspirados.

Mas começar um negócio do zero nem sempre é fácil, e requer muito esforço e empenho, por isso partilhamos agora consigo o passo a passo que deve seguir para abrir a sua própria empresa e dar início à respetiva atividade.

 

Comece por elaborar um plano de negócio

O primeiro passo é sem dúvida colocar por escrito a sua ideia de negócio, criando à partida um plano de negócio que lhe permita verificar a viabilidade da sua ideia inicial, de modo a que num momento posterior consiga minimizar os riscos envolvidos. Este documento, ser-lhe-á também muito útil do momento de procurar possíveis investidores, caso não tenha capital suficiente para suportar o investimento.

É nesta fase inicial que deverá decidir qual o nome a dar à empresa, qual a missão a seguir, quem são os seus potenciais clientes e em que mercados se encontram, bem como outras linhas consideradas essenciais para o desenvolvimento do projeto, como é o caso dos objetivos a cumprir, da estratégia comercial a adotar, das previsões financeiras, recursos e investimentos necessários. São estas as informações que devem constar no seu plano de negócios.

Numa primeira fase, poderá ser conveniente informar-se junto de entidades públicas, como é o caso do IAPMEI, de modo a procurar assessoria em empresas à partida especializadas.

 

Segue-se a procura pelo financiamento

Lembre-se que a subsistência do seu negócio depende do financiamento disponível para realizar os investimentos iniciais, porque nenhuma empresa ou start-up consegue singrar sem algum tipo de apoio financeiro.

Caso não consiga financiar o seu negócio única e exclusivamente com fundos próprios, o ideal será recorrer a um financiamento, existindo diversas opções disponíveis para a angariação de capital, nomeadamente:

  • Financiamento bancário – poder-lhe-á ser concedido um empréstimo através e um processo de negociação com a banca, desde que consiga demonstrar à partida a viabilidade da sua ideia de negócio;
  • Business Angels – este termo refere-se a investidores com experiência na área de gestão, que contribuem ativamente tanto com capital como com experiência profissional, facilitando assim a angariação de contactos e parcerias para o projeto;
  • Capital de Risco – esta é considerada uma das principais fontes de financiamento a pequenas empresas, start-ups e investimentos de risco com elevado potencial de rentabilização;
  • Fundos Comunitários – existem ainda sistemas de incentivo financeiro para a criação de empresas, que podem ser consultados nas Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR’s) das diversas regiões do país.

 

Que tipo de empresa pretende criar?

Seja sozinho ou em conjunto com outras pessoas, a verdade é que deverá definir desde cedo o tipo de empresa que pretende abrir e a forma jurídica mais indicada para a sua situação, uma vez que existem vantagens e desvantagens associadas a qualquer um destes cenários.

Caso opte por criar a sua empresa de forma individual, existem três opões a considerar: se abrirá a mesma a título de empresário em nome individual, como sociedade unipessoal por quotas, ou ainda enquanto estabelecimento individual de responsabilidade limitada. No entanto, se o seu objetivo passar por dar início à empresa de forma coletiva, existem quatro tipos de sociedade: anónima, por quotas, em nome coletivo ou em comandita. Para além destas, é possível criar a sua empresa tendo por base um regime cooperativo, onde o foco não é a maximização do lucro, mas sim a satisfação das necessidades de cada membro.

 

O que é necessário para abrir a empresa?

Perante o momento de formalização da criação da empresa, é possível tratar de todos os procedimentos associados ao seu negócio de uma forma simples e rápida, podendo optar por fazê-lo de forma presencial ou através dos meios digitais.

 

Se optar pelo regime presencial…

No momento designado para a constituição oficial da empresa, todos os futuros sócios deverão estar presentes no local, dado que perante uma situação em que um deles não possa comparecer, o mesmo deverá fazer-se representar por outra pessoa, sendo para isso necessária a apresentação da respetiva procuração.

Seguem-se agora alguns dos aspetos aos quais deverá ser dada uma resposta, aquando da criação da empresa:

  • Nome da empresa – poderá aceitar sugestões de nomes ou ainda optar pela aprovação automática de uma denominação composta pelos nomes dos sócios. Caso pretenda atribui outra designação à sua empresa, será necessário apresentar um Certificado de Admissibilidade, passado pelo Registo Nacional de Pessoas Coletivas do Instituto de Registos e Notariado;
  • Pacto social – após a definição do nome da empresa, terá de selecionar um dos pactos sociais pré-aprovados que lhe serão apresentados numa pasta facultada no local de atendimento;
  • Técnico Oficial de Contas – será necessário designar um Técnico Oficial de Contas da sua preferência ou optar por um dos que se encontram disponíveis na Bolsa de Técnicos Oficiais de Contas. Por outro lado, poderá entregar no serviço de Finanças, num prazo máximo de 15 dais após a constituição da empresa, a declaração de início de atividade devidamente assinada pelo Técnico Oficial de Contas que escolher;
  • Capital social – o processo de abertura da empresa dá-se por concluído após um depósito do valor do capital social numa conta bancária aberta em nome da empresa, no prazo máximo de cinco dias úteis após a respetiva constituição. Uma vez realizado o pagamento, receberá de imediato o Pacto Social, o Código de acesso à Certidão Permanente de Registo Comercial, o Código de acesso ao cartão eletrónico da empresa e o Número de Segurança Social da empresa;
  • Documentação necessária – para dar início ao processo, serão necessários os documentos de identificação de cada um dos sócios ou procuradores presentes, bem como o Número de Identificação Fiscal de cada um.

 

Caso prefira os meios digitais…

É possível criar uma empresa a partir do seu escritório, ou até mesmo de sua casa, através do serviço “Empresa Online”, disponível no Portal do Cidadão. Todavia, a utilização deste serviço requer que todos os sócios possuam Cartão de Cidadão e Assinatura Digital ativa.

Neste caso, os documentos necessários e procedimentos a adotar são em tudo semelhantes aos requeridos no atendimento presencial, sendo obrigatória a realização do registo de beneficiário efetivo, devendo este ser feito no Registo Central de Beneficiário Efetivo, no prazo limite de 30 dias a contar da constituição da empresa.

 

Como calcular o custo efetivo de um trabalhador

Caso sinta a necessidade de ter a seu lado uma equipa de colaboradores para que o negócio siga em frente, terá de passar por uma fase inicial de recrutamento, mas atenção aos custos.
A despesa gerada por um trabalhador não se resume apenas ao seu salário base, pelo que é necessário ter em consideração aspetos como o subsídio de férias, o subsídio de alimentação, os descontos da segurança social, entre outros. Aqui fica um exemplo de como poderá calcular o custo efetivo de um colaborador:

  • Salário base: 1 000€ x 12 meses = 12 00€
  • Subsídio de férias e de natal: 1 000€ + 1 000€ = 2 000€
  • Subsídio de alimentação: 4,77€ x 21 dias x 11 meses = 1 101,87€
  • Segurança social: 14 000€ x 23,75% = 3 325€
  • Seguro de Acidentes de Trabalho: (14 000€ + 1 101,87) x 1,5% = 226,53€
  • Valor anual: 18 653,4€
  • Custo mensal para a empresa: 1 554,45€

No entanto, existem formas de reduzir o encargo que os trabalhadores representam para a empresa, nomeadamente através de uma solução de Seguro de Saúde para empresas.

 

Mantenha-se protegido dos imprevistos

Muitos são os seguros considerados obrigatórios para quem pretende abrir uma empresa, pelo que o melhor que tem a fazer é entrar em contacto com uma seguradora especializada neste tipo de questões, para que consiga encontrar as soluções de seguro mais adequadas às suas necessidades e à sua carteira.

Importa também referir que quanto mais seguros negociar com a seguradora, maior será o desconto que terá no momento de contratação conjunta. A João Marques Seguros continua a seu lado hoje e sempre, com escritórios abertos da cidade de Faro e na freguesia de Montenegro, para um aconselhamento especializado no momento de abrir a sua própria empresa.

 

 


Scroll to Top